CURA GAY

Amazon bane livros de 'cura gay' e conservadores cristãos protestam

Amazon bane livros de 'cura gay' e conservadores protestam nos EUA

POR: FolhaPress
amazon
Reprodução

Tente encontrar na Amazon "Healing Homosexuality: Case Stories of Reparative Therapy" (Curando a homossexulidade: histórias de casos de terapia reparativa).Nada? E que tal "A Parent's Guide to Preventing Homosexuality" (Um guia parental para prevenir a homossexualidade)? De novo, zero resultados, certo?

É porque a gigante do comércio virtual baniu de seu catálogo obras que divulguem a chamada "cura gay", uma terapia que promete reverter a orientação sexual de pessoas atraídas por outras do mesmo sexo, à revelia da decisão da Organização Mundial de Saúde de extirpar em 1990 a homossexualidade de sua lista de doenças.

Em nota à reportagem, a Amazon diz que zela pela variedade do cardápio literário, mas materiais que julgue inadequados podem ficar de fora. "Como vendedores de livros, fornecemos aos nossos clientes acesso a uma variedade de pontos de vista, incluindo livros que alguns clientes podem achar desagradáveis. Reservamos o direito de não vender determinados conteúdos, como pornografia ou outros conteúdos inadequados."

A iniciativa provocou fúria entre grupos conservadores americanos. Um deles é o Voice of the Voiceless (Voz dos Sem Voz), que diz ter como missão "defender os direitos dos ex-homossexuais com indesejada atração pelo mesmo sexo", e, de quebra, apoiar "a comunidade baseada na fé".

Um abaixo-assinado criado por este porta-voz de uma parcela cristã no site de petições virtuais Change.org tinha, até quinta (12), 19,3 mil assinaturas de uma meta de 25 mil.

A palavra censura aparece para criticar a remoção de obras do gênero. "Isso equivale à discriminação religiosa e à baseada na orientação sexual."

Na quarta (11), Tony Perkins, presidente do Family Research Council e um dos mais poderosos lobistas cristãos em Washington, disparou um email massacrando a Amazon.

Exaltou na mensagem que a "fé cristã teve um papel significativo na ajuda a pessoas lidando com uma indesejada atração por gente do mesmo sexo". E seriam "poucas as vozes na atual cultura do 'qualquer-coisa-serve' com coragem para se posicionar ousadamente".

A companhia estaria tentando "silenciar aqueles de nós que deixaram o estilo de vida LGBT", afirma Perkins

Vários dos livros, como os que abrem esta reportagem, são do psicólogo Joseph Nicolosi (1947-2017). Espécie de rockstar entre seus pares entusiastas da "cura gay", ele presidia nos EUA a Associação Nacional e Pesquisa e Terapia da Homossexualidade".

Ele pregava que as pessoas nasciam naturalmente héteros, mas traumas na infância poderiam levá-los a optar por relações homossexuais, sobretudo em casos de mãe dominadora e pai ausente.

Eletrizou alas cristãs desgostosas com o avanço de direitos LGBT mundo afora com as canjas que deu em eventos como O Amor Venceu, uma conferência de "cura gay" sediada em 2004 numa igreja batista."Não há essa coisa de homossexual", disse à época. "Todo mundo é heterossexual. Alguns de vocês talvez tenham um problema homossexual. [...] É apenas uma desordem psicológica alavancada por um sentimento interno de solidão."

"Isso, aliás, é informação não-religiosa e não-política", discursou Nicolosi. "É científica."Só faltou combinar com as maiores organizações de psicologia, que não só questionam a eficácia desses tratamentos como fixam que não há o que ser curado, já que a orientação sexual de alguém não é doença mental.

Vários portais voltados à comunidade LGBT, como o Pink News e o Gay Star News, destacaram a pressão feita pelo britânico Rojo Alan, contra a Amazon, por vender os livros do terapeuta.

Em maio, ele narrou numa rede social como encorajou pessoas a escreverem à Amazon reclamando do espaço dado a um acervo que, em sua visão, propagaria uma visão homofóbica do gay como doente.A empresa, a princípio, teria afirmado que os livros de Nicolosi sobre o tema não violavam suas regras. Em julho, contudo, já não era mais possível achá-los à venda.

"Estou num Starbucks e pertíssimo de chorar por perceber que todos os meus esforços valeram a pena", escreveu Rojo.

Para doutor em educação Ilan Brenman, autor de "Quem Tem Medo do Lobo Mau? O Impacto do Politicamente Correto na Formação das Crianças", como empresa privada, a Amazon tem direito de subtrair produtos de seu acervo. "E nós, como consumidores de livros, temos o direito de buscá-los em outras plataformas."

"Não existem livros impróprios, existem livros bons ou ruins. Uma má ideia se combate com uma ideia melhor, e não banindo livros", diz Brenman. Mas a decisão de "aguentar o tranco dos consumidores" cabe à companhia.

"Você não pode obrigar uma livraria que só tem livros sobre veganismo a vender livros sobre churrascos. Em caso do poder público, já é uma outra história. Numa democracia é dever do Estado proteger a liberdade de expressão artística, por mais que ela seja, no seu limite, contrária à própria democracia.A supressão de obras não é um ato inédito por parte da Amazon.

No começo do ano, a empresa removeu de seu mercado online "Healing the Symptoms Known as Autism" (Curando os sintomas conhecidos como autismo) e "Fight Autism and Win" (Lute contra o autismo e vença).

Se os títulos careciam de chancela científica, transbordavam em métodos questionáveis para tratar o TEA (Transtorno do Espectro Autista). Uma das sugestões, por exemplo, era apelar para uma substância usada em alvejantes, isso a despeito de normas médicas e sanitárias.

A varejista também é pressionada por comercializar títulos que respaldam fake news sobre a eficiência de vacinas. Não que tudo tenha sumido de vez. Ainda dá para achar trabalhos de Nicolosi na Amazon, ainda que não os mais explícitos na defesa à "cura gay". Um deles, "TranZformed: Finding Peace With God-Given Gender" ( TranSformados: encontrando paz no gênero dado por Deus), o lista como especialista. É um DVD de US$ 13,99 sobre "o que Jesus Cristo pode fazer para aqueles que penam com a disforia de gênero".

amazon banidos curagay EUA mundo Protestos

Veja Também

Comentários